Skip to content

home sweet home

12 maio, 2009
Para inaugurar o blog, um textinho sobre o Tatuapé, bairro da Zona Leste de São Paulo e meu refúgio há dezessete anos. Mas meu caso de amor com a região, na verdade, veio antes de eu nascer até: meu avô foi praticamente um dos fundadores do bairro, e minha mãe tem foto de quando ainda era criança e tudo em volta era roça (e o local era conhecido como ‘chácara Tatuapé’!).
 
Só não fui criada no ‘Tatuandante’ desde baby – como ele foi carinhosamente apelidado pelo meu namorado – porque quando meus pais se casaram, eles compraram um apartamento num condomínio em Santo Amaro, e por lá vivi até meus sete. Mas na primeira oportunidade mamis voltou ao seu local de origem e o restante de minha infância e adolescência foi vivido a algumas quadras dos meus avós, tios e primos.
 
Em 1992, quando nos mudamos para cá, vivíamos em uma casa localizada dentro de uma vila. Passei meus “anos dourados” andando de bicicleta e patins com os vizinhos na viela de paralelípedos, ralando os joelhos o verão inteiro e comendo pé-de-moleque em volta da fogueira nas festas juninas realizadas pelos moradores.
 
coracao
 
Adoro contar como vi o bairro crescer. Quando nos mudamos para cá, o shopping mais próximo era o Penha. Hoje há quatro deles num raio de cinco quilômetros. E com eles vieram escolas de idiomas, academias, barzinhos, restaurantes, bancos, mil lojas e afins. E o trânsito infernal. E os empreendimentos imobiliários megalomaníacos que têm tirado o meu sono há pelo menos dois anos.
 
Devo confessar que hoje em dia pouco conheço dos tais “lugares bacanas” do bairro, porque a maior parte do meu tempo eu passo em outro canto da cidade, trabalhando. Mas eu gosto mesmo é do ar provinciano da região. Da cara de cidade do interior, com uma praça com igreja no centro, como ponto de encontro. De pagar ‘fiado’, de ir a pé à padaria, à banca de jornal, à costureira, ao mercadinho. E de ser cumprimentada nesses lugares por gente que também me viu crescer.
 
Por ser meu texto de abertura, resolvi fazê-lo mais emocional que objetivo. Creio que devo ao bairro boa parte do olhar aguçado e fraterno que tenho por todos os lugares que visitei no restante da minha vida. Se você quer saber dos tais “novos lugares bacanas no Tatuapé”, clique aqui e leia a matéria do Guia da Folha da última sexta. Prometo que o próximo texto virá com dicas objetivas do real lugar no qual passo boa parte do meu dia e tenho mais know how a respeito. No mais, irei me redimir com o Tatuandante e descobrir novos achados. Aguardem.
 
 
*mais fotos lindas-lindas como essa aqui no flickr da lissa, minha lindeza
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: