Skip to content

Welcome to the jungle!

22 maio, 2009
Quer saber tudo de mais increíble que está rolando em Londres quando você estiver por lá? Então pegue a sua Jungle se a vir dando bobeira em qualquer lugar!

JungleDrums Magazine é uma revista anglo-brasileira especializada em música, cultura, entretenimento e comportamento. Ou, como eles mesmos gostam de dizer, ‘brasilian lifestyle’. Ela é distribuída gratuitamente por todo o Reino Unido e, por incrível que pareça, com um público gringo de leitores bem fiel, e não somente nossos compatriotas que se aventuram pela terra da rainha.

 

Sou um pouco suspeita para falar da publicação porque devo a ela algumas das minhas melhores aventuras por lá vividas. Trabalhei por lá durante quatro meses e fiquei apaixonada. É difícil não ‘vestir a camisa’ da revista quando se tem por perto o Ju (Juliano Zappia, editor-chefe) para nos motivar. A equipe é formada por jovens que estão na cidade, por uma longa temporada ou apenas por algumas semanas; estudantes que costumam ficar por lá meio-período e o restante do dia em outros jobs, como garçom e babá (eeu!). E não há somente brasileiros, mas gente de outros países também, se toparem (eu trabalhei com um inglês e uma grega!).

 

Essa é nossa humilde torre de babel. Welcome, mi casa, su casa!

Essa é nossa humilde torre de babel. Welcome, mi casa, su casa!


Por serem todos jovens antenados com tudo de bacana que acontece na cidade, o material da revista (e do site) é sempre recheado de matérias com eventos must-see que estão acontecendo, shows imperdíveis, pessoas talentosas que estão despontando na música e no cinema, e por aí vai. Ah, e uma aula de inglês para brasileiros que estão se aventurando em outra língua também: o material é sempre bilíngüe, feito e revisado por um pessoal que sabe do que está falando, e é ótimo para aprender novas expressões e treinar a língua.

A revista também é famosa por suas festas, recheadas de boa música nacional e gente bacana (brasileiros ou gringos interessados na nossa cultura), e por recepcionar nossos artistas que por lá aportam por uma temporada – os últimos de que tive notícia foram Orquestra Imperial, Mariana Aydar e Vanessa da Mata.


Confesso que me dava o maior orgulho ver alguma matéria minha publicada, ou meu nome listado no ‘editorial team’. Carregava revistas comigo para todo o canto para distribuir, e fazia a maior propaganda para todo mundo, porque realmente acredito nela, nos seus ideais e no seu potencial.

No nosso jantar de fim de ano, Ju falou que nós fomos ‘a equipe mais legal que já passou por lá’ (ooown!), até porque no vai-e-vem de pessoas que passam pela revista, conseguimos manter boa parte do mesmo pessoal por este período. Tenho um carinho realmente especial por todos e mantemos contato até hoje. Combinamos um chopinho com os que estão em terras brasilis, bato um papinho msênico com minhas queridas que estão longe, e assim a gente mantém vivo dentro de nós todo esse amor-sem-fim que por lá desabrochou (haha, amar é brega mas é bom, tsá?!).


Embora ache que iriam censurar esse meu texto se ele tivesse que ir para a revista, por ser piegas demais e pouco moderno. Mas é difícil ser imparcial quando há tanta paixão envolvida, não só minha, mas de todos. Hope you guys enjoy it!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: